Menu

Papa Francisco escolhe tema para o Dia Mundial das Comunicações de 2017: Comunicar esperança e confiança no nosso tempo

03 OUT 2016
03 de Outubro de 2016
Eis o comunicado da Secretaria de Comunicação da Santa Sé:

Dormência de consciência ou deixar desespero tirar o melhor de nós são duas possíveis “doenças” que o nosso sistema de comunicação atual pode causar.

É possível que a nossa consciência se cauterize, como nos recorda Papa Francisco em ‘Laudato Si’, como resultado do fato de que, muitas vezes, os profissionais, os que emitem opinião e os próprios meios de trabalho de comunicação se encontram em áreas urbanas distantes dos locais de pobreza e necessidade, e sua distância física os leva a ignorar a complexidade dos dramas enfrentados por homens e mulheres.

Ocorre o desespero quando a comunicação é enfatizada e transformado em espetáculo e, às vezes, torna-se uma verdadeira estratégia para a construção de perigos presentes e iminente medos.

Mas, no meio desse tumulto, num sussurro é ouvido: “Não tema, porque eu sou com você.” Em Seu Filho, Deus expressa sua solidariedade com cada situação humana e revelou que não estamos sozinhos, porque temos um Pai que não se esquece de Seus filhos. Aqueles que vivem unidos com Cristo descobrem que, mesmo a escuridão e a morte se tornam, para aqueles que assim o desejarem, um lugar para a comunhão com a Luz e a Vida. Em cada fato, eles tentam descobrir o que está acontecendo entre Deus e a humanidade e procuram reconhecer, como Ele, através do cenário dramático deste mundo, como está sendo escrita a história da salvação.

Nós, os cristãos, temos uma”boa notícia” para anunciar, porque nós contemplamos, com confiança, a perspectiva do Reino. O tema do próximo Dia Mundial das Comunicações Sociais é um convite para contar a história do mundo e as histórias de homens e mulheres, de acordo com a lógica da “boa notícia” que nos lembra que Deus não renuncia nunca de ser Pai em qualquer situação ou em relação a qualquer homem. Vamos aprender a comunicar confiança e esperança para a história.
Voltar
Tenha você também a sua rádio